Terra perderá dois terços da vida selvagem até 2020

Um relatório do grupo ambientalista WWF e da Sociedade de Zoologia de Londres divulgado em 27 de outubro indica que a vida selvagem poderá ser reduzida em 67% em todo o mundo, num período de apenas 50 anos até o final desta década.

O relatório chamado ‘Planeta Vivo’ destaca que, entre 1970 e 2012, população global de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis diminuíram 58%. Num período de 50 anos, que termina em 2020, essas populações poderão ser reduzidas em até dois terços do total!

O relatório, afirma ainda que este cenário se dá por conta da forma como as sociedades industriais exploram o planeta, a níveis sem precedentes.

A principal causa da destruição dos habitats selvagens é a agricultura extensiva. “Atualmente, a agricultura ocupa cerca de um terço da área total da Terra e é responsável por quase 70 % do uso da água”, afirma o documento.

O relatório aponta ainda para fatores como a industrialização e a urbanização como extremamente nocivos a vida selvagem.

Com níveis alarmantes de extinção, as organizações chamam atenção para evidências de que o que os cientistas chamaram de “a sexta extinção em massa” está em andamento, como mais espécies desaparecendo diariamente, hoje, do que as taxas diárias de outros processos de extinção em massa, como o que levou ao fim os dinossauros.

Rodear de Solidariedade as iniciativas de comunicação popular indígena!

parana-pr-rodear-de-solidariedade-as-iniciativas-1

 

Rodear de Solidariedade as iniciativas de comunicação popular indígena!

Em Rio das Cobras, em Araça-í e em qualquer outro território de luta popular!

Em Junho de 2016, no Colégio Rural Indígena Rio das Cobras, em Nova Laranjeiras, na região Centro do Paraná, aconteceu o terceiro ciclo de formação sobre comunicação popular e luta indígena, organizado principalmente pelos(as) estudantes e a comunidade. Ciclo esse que faz parte de um trabalho maior iniciado em novembro de 2015, fruto do contato e articulação entre estudantes kai ngangs, comunicadores populares e militantes anarquistas.

Após os últimos ciclos, onde discutimos principalmente o levante zapatista e o movimento de rádios populares e livres na América Latina e no Brasil, neste encontro compartilhamos argumentos e motivos que nos levaram a instalação de uma rádio popular indígena. Entre vários argumentos, o principal que destacamos é a ausência de meios de comunicação onde pode-se utilizar a nossa língua materna, seja o Kaingang, seja o Guarani e a necessidade de um instrumento de luta e organização dos povos originários dessa terra em defesa de seus direitos sociais.

“Se a escola é o lugar do saber kaingang, então aqui queremos construir nossa rádio em nossa língua”, destaca uma das educandas do CREI Rio das Cobras.

Nesta semana de outubro, na Escola Estadual Indígena Mbya Arandu, em Piraquara, região metropolitana de Curitiba, aconteceu a segunda oficina sobre comunicação e rádio, também organizado pelos(as) estudantes, professores e a comunidade guarani aracaí.

Com o acúmulo já debatido com companheiros da Rádio Livre Xibé (de Tefé-AM) e da AMARC Equador, onde tivemos certeza que dar visibilidade a cultura e arte indígena é fundamental para criar e enraizar a resistência, instalamos e demos início a Rádio Araça-í FM, 105,7FM. Com a programação da transmissão inicial destacamos: O contexto do sucateamento do ensino publico e da rebeldia social nas ocupações de escolas no Paraná; Denunciamos a ausência da demarcação das terras indígenas, e por fim, gritamos BASTA ao genocídio do povo indígena!

É somente com muita solidariedade que a nossa resistência cria forças para o poder popular!

Viva a Rádio de Rio das Cobras! Somos todos dessa terra!

Viva a Rádio Araça-i FM!

Ocupar o Espectro! Ocupar as Escolas! Ocupar e Resistir!

Coletivo de Articulação de Rádios e Comunicação Popular Indígena

Coletivo Rádio Gralha

Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC)/CAB

Fonte: RadioLivre.Org

Documentos da Cruz Vermelha revelam massacre de indígenas na ditadura

por

Trabalhos forçados, miséria e doenças levaram povos “à beira do extermínio” na década de 1970, registram informes confidenciais do Comitê Internacional da entidade

Num estado de saúde deplorável, aniquilados por doenças, uma miséria profunda e trabalhando como escravos para fazendeiros, povos indígenas inteiros estiveram próximos de desaparecer no final dos anos 60 e início da década de 70.

Isso é o que revelam informes confidenciais preparados pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha e que estiveram guardados por quase meio século de forma sigilosa em Genebra. Alguns povos passaram a praticar abortos diante da constatação de famílias de que não teriam como garantir a sobrevivência da nova geração.

A entidade, depois de uma intensa negociação com o governo militar brasileiro, foi a primeira organização internacional a sair ao resgate dos índios da Amazônia, num momento que jornais e especialistas estrangeiros apontavam para um “genocídio” na floresta brasileira.

A reportagem teve acesso a centenas de páginas de documentos dos arquivos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha que, de forma inédita, apresentam detalhes do regime militar brasileiro entre 1965 e 1975. Os arquivos estavam fechados até este ano.

O que os documentos revelam é, acima de tudo, a miséria de um grupo cada vez mais pressionado por interesses econômicos e sem contar com a assistência da Funai, considerada pelo CICV como “incapaz” de lidar com a crise.

Os alertas para a entidade começaram a chegar na primeira metade ainda dos anos 60, com especialistas europeus denunciando a crise. Os capítulos nacionais da Cruz Vermelha na Alemanha e nos países nórdicos também pressionaram e indicaram que estavam dispostos a financiar uma ação na Amazônia. Mas o CICV levaria anos para agir. Primeiro, por alegar que jamais tomaram uma iniciativa similar. Quando optou por se lançar na operação, já em 1969, teve então de superar a resistência do governo brasileiro.

Na época, o então ministro do Interior, José Costa Cavalcanti, aceitou a missão, com o compromisso de que fosse puramente humanitária e que resultasse em uma ajuda real. Ele, porém, negava qualquer ato deliberado das autoridades em promover um massacre, tese divulgada naquele momento pela Europa.

Foi finalmente em 1970 que uma missão foi enviada ao Brasil, liderada pelos delegados Bo Akerren, Sjouke Bakker e Rolf Habersang. Em pouco mais de três meses, eles visitaram 20 povos e 30 vilarejos, tendo acesso ao que acreditam ser um terço da população indígena da Amazônia Legal naquele momento, avaliada em cerca de 70 mil.

Os delegados, em suas conclusões, disseram claramente que “não entrariam na questão se há ou não um genocídio”. Mas foram taxativos: se nada for feito de forma rápida, “não haverá mais o problema indígena para resolver”.

Para chegar a essa constatação, o grupo percorreu uma trajetória que se confundia com o percurso do abandono de populações inteiras pelas autoridades.

No dia 17 de maio de 1970, o diário da viagem dos delegados conta como na aldeia Santa Isabel, com 250 índios Carajás, a malária tracoma e gastroenterite dominavam o local. Mas o destaque foi o “baixo padrão de higiene, agravado pela presença de muitos cachorros que poderiam ser fonte de tuberculose”. No dia seguinte, a duas horas dali em barco, uma outra aldeia foi descrita como tendo um “padrão muito baixo de higiene, pessoas e local sujos” e uma epidemia de influenza, pneumonia combinada com malária e tuberculose. “Essa aldeia Carajás deu a impressão de estar totalmente negligenciada e apática”.

No dia 27, a visita a uma aldeia Kanayurá encontrou uma população “muito pobre”, com a presença de bronquite, casas “muito dilapidadas” e mulheres e crianças “magras e fracas”.

Alguns dias depois, entre os Bororo no Mato Grosso, a delegação deparou com uma situação de “ extrema pobreza”, anemia severa e com 15% da população sofrendo com tuberculose. “A tribo está rapidamente em declínio em números por conta das doenças, alimentação inadequada e completa ausência de ajuda médica”, alertou. “A falta de ajuda vai logo levar à extinção dos Bororos”, indicou a delegação.

No dia 1 de junho, numa visita a um ambulatória da Funai nas proximidades de Cuiabá, a delegação foi informada que o estado do Maro Grosso tinha apenas 50 camas para tratar tuberculose e com longas filas de espera. “As chances dos índios serem internados eram praticamente zero”, constatou.

Abortos frequentes

Uma visita ao Seringal do Faustino, 60 km de Vilhena na direção de Porto Velho, também deu a dimensão da crise no dia 5 de junho de 1970. Numa aldeia Nambiquara, entre doenças e desnutrição, os índios apenas comiam “ocasionalmente algum arroz de um fazendeiro que queria que eles trabalhassem”.

“Todos são obrigados a trabalhar para o fazendeiro, uma espécie de chefe local que os mantinha mais ou menos em um estado de completa dependência, dando algum arroz de tempos em tempos e ocasionalmente alguma roupa”, disse. “As mulheres não querem engravidar, pois temem perder os filhos diante do trabalho duro que tem de fazer e do temor de não poder cuidar”, apontou. O resultado eram abortos frequentes e, portanto, um estagnação na população da aldeia.

Os índios Nambiquara pelas lentes do antropólogo Lévi-Strauss

Os índios Nambiquara pelas lentes do antropólogo Lévi-Strauss

O risco de extinção ainda foi apontado na aldeia de Capitão Pedro, 50 quilômetros de Vilhena na direção de Cuiabá. Segundo o informe, um grupo de Nambiquaras estava em uma “situação verdadeiramente desesperadora e se ajuda não for dada, a aldeia provavelmente desaparecerá completamente”. Não distante dali, a delegação constatou que sete pessoas de um grupo de cem índios tinham morrido de sarampo em três semanas. Outros 20 estavam doentes. Em Feijoal, duas horas de barco de Belém, os Ticuna estavam em uma situação “realmente miserável”.

No posto da Funai de Mãe Maria, uma hora de Marabá, um outro grupo de 46 índios tinha apenas farinha para comer. “Esses índios estavam no estado mais deplorável que encontramos em termos de saúde”, disse o informe. “Homens e mulheres estavam muito doentes”, contou, apontando que eles haviam sido transferidos de suas terras diante da construção da rodovia Belém-Brasília.

Em agosto, um grupo Kayapó Xikrin, uma hora de Marabá, constatou que, alguns anos antes, uma epidemia de pólio matou um terço da aldeia, com cerca de 50 vítimas.

Risco do contato

Diante das constatações e das visitas, os delegados do CICV chegaram à conclusão de que os povos mais isolados são aqueles que estavam em melhor situação em termos de saúde. “Índios isolados em seus habitats podem ser considerados como estando melhor adaptados e em equilíbrio com o meio ambiente”, indicou a missão.

Teria sido o contato com a “civilização”, na maioria dos casos, que teria levado grupos inteiros a viver uma situação de risco. Como recomendação, o CICV sugere que os novos contatos fossem feitos de forma “cuidadosa”. “Eles (índios) são tirados do equilíbrio em contato com outras civilizações, como a nossa”, explicaram. Esse contato poderia levar a “novas infecções, novos hábitos de alimentação, estrutura social, novos sistemas de valores”.

“Quanto mais rápido e sem controle (ocorrer) o contato, maior o risco de os índios sucumbirem, não apenas como membros de uma entidade tribal, mas também como seres humanos”, constatou. Nos meses que se seguiram à missão, a entidade montou um amplo plano de entrega de remédios e alimentos na região, num esforço para evitar que a população indígena fosse dizimada.

Mas ela também constatou que não havia dúvidas de que, nos anos seguintes, a sociedade brasileira iria “forçar seu caminho a novas áreas e esses índios vão estar ainda mais pressionados”. Quanto à FUNAI, seus recursos seriam “insuficientes” para lidar com a crise.

Uma avaliação que, 46 anos depois, provaria certeira ao ponto de uma recente relatora da ONU para o direito dos povos indígenas, Victoria Tauli Corpuz, adotar o mesmo tom em relação à pressão que grandes obras de infraestrutura podem gerar na demarcação de terras. “Informações apontam para uma regressão preocupante na proteção dos índios”, afirmou.  Ela ainda completou sua avaliação com uma constatação: “o País tem uma dívida histórica com os povos indígenas, que sofreram a marginalização desde a formação do Estado”.

Dívida essa que continua sem ser quitada.

 

Fonte: http://apublica.org/2016/10/documentos-da-cruz-vermelha-revelam-massacre-de-indigenas-na-ditadura/

Indígenas e Manifestantes encaram tanques, tropas de choque e helicópteros contra o oleoduto em Standin Rock (EUA)

Uma vez mais os sioux e centenas de apoiadores enfrentaram o aparato de guerra montado para garantir a construção de um megaoleoduto em suas terras sagradas.
Policiais armados, tanques e helicópteros atacaram as multidão na Reserva Sioux de Standin Rock, na Dakota do Norte. Os protetores da água revidaram o ataque dos aparatos de repressão com pedras e fogo dando início a uma verdadeira batalha campal.

 

(Leia a Matéria em Inglês Abaixo)

The massive police action went down in an effort to remove protestors from private property — protestors who prefer to be called “protectors” and who didn’t plan on going anywhere — at least not willingly.Activists lit tires on fire, while police used ear piercing sonic devices and shot horses, in what will surely go down as one of the most heated standoffs in the ongoing war over pipeline projects in America.Several arrests have been reported from the ground, as authorities used busses to transport activists while scanning the air with airplanes and helicopters.https://www.facebook.com/cempoalli.twenny/videos/10210840743645258/Awareness around DAPL has grown tremendously over the past month after award-winning journalist and anchor of Democracy Now! Amy Goodman dropped a media bombshell with a video report showing a squad of paid, non-licensed security goons siccing attack dogs and macing Native American activists with pepper spray — this, after the pipeline company, Energy Transfer Partners LP, had intentionally bulldozed over known sacred burial sites of the Standing Rock Sioux Tribe on an otherwise peaceful Labor Day weekend. Five days later Goodman was charged with criminal trespass for her reporting, which brought yet another wave of media attention to the issue.

Armed police working to clear pipeline protest camp

These are live pictures from Cannonball, ND where Dakota Access Pipeline protesters are facing off with law enforcement officers who are trying to force them off private property. http://bit.ly/2dM0oBXNOTE: The video may be interrupted and contains NSFW language.

Posted by NBC4 on Donnerstag, 27. Oktober 2016

You may recap law enforcement agencies and the National Guard moving in on Native American protectors attempting to thwart DAPL in the video players below just below.

Fonte: EnviroNews

A luta indígena como exemplo contra o novo golpe

Como outros golpes, este golpe é uma grande reforma autoritária das leis. Como tantos outros, ele não ataca apenas os direitos indígenas, se impõe contra os interesses da maioria. E a maioria segue talvez distraída demais para se defender.

Índios manifestam na Esplanada dos Ministérios
Data: 11/11/2015 – Foto: Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados

Todos os partidos políticos, oposição e situação, parlamentares da direita e da esquerda, estão prostituídos, conspiraram a serviço de governos estrangeiros e multinacionais. O governo brasileiro, hoje como nunca, não passa de um fantoche dessas forças quase ocultas.

As metas deste golpe são destruir legalmente os direitos da maioria (e também das minorias indígenas) até submetê-las à situações de escravidão, como nas megafábricas chinesas, ou ao extermínio; legalizar a pilhagem de recursos e extensões de terra para grupos estrangeiros e multinacionais; garantir a continuidade dos grandes  privilégios de grupos políticos e empresariais.

Por valorizar e proteger seus territórios, por seus saberes ancestrais e práticas de autonomia, indígenas são contrários ao projeto golpista. Também são eles que oferecem à maioria, grandes exemplos de coragem na luta contra os golpes e tiranos: Sepé Tiarajú, Gerônimo, Búfalo Negro, Lucy Gonzales Parsons, Leonard Peltier, Emiliano Zapata, Tuíra Kaiapó e Marçal Tupã-i são só alguns dos indígenas lutadores a serem lembrados  como grandes exemplos de luta, não só por uma vida livre e digna, mas pela própria sobrevivência.

516 anos de golpes contra os indígenas

Nós indígenas estamos acostumados a lutar. São 516 anos que nos golpeiam continuamente. Desde que invadiram nossas terras, fomos apunhalados, enganados, roubados e massacrados.

Os descendentes das invasores estão aqui hoje! Geração após geração dominam através de golpes!

Golpearam nossas tradições com sua religião. Nos impuseram seus cultos à culpa, ao sofrimento, e ao progresso – tudo a serviço de seus próprios interesses. E seguiram nos golpeando, roubando nossas terras, às custas da vida e da saúde dos nossos filhos e netos, às custas da vida da própria Terra!

Eles ignoram que somos nós quem sabe o que é melhor para nós. Enxergar leva a angústia.

Mas não há como desistir, não podemos esquecer dos velhos que lutaram contra a guerra de extermínio dos europeus para estarmos aqui orgulhosos de quem somos, povos livres e não escravos desses monstros, que são as corporações e os estados. Sabemos que os valores dos nossos ancestrais estão vivos em nós, lembrando deles fortalecemos nossa Cultura da Resistência.

A maioria agora precisa lutar! Nós também estamos na luta!  Lutamos pelo que acreditamos, nos pintamos e partimos para a luta!

Baseado no texto de Potyra Tê Tupinambá

Aldeia Ka’apor é invadida por madeireiros e pistoleiros

A Terra Indígena Alto Turiaçu, no Maranhão sofre com as investidas violentas de madeireiros.

Desde 2013, os Ka’apor fazem vigilância de suas terras para evitar a destruição das matas. Trilhas com maior movimento de madeireiros e caçadores estão permanentemente ocupadas com novas aldeias.

Há algumas semanas, o grupo de vigilância Ka’apor encontrou quatro invasores armados no interior da TI. Os homens foram imobilizados e expulsos. Há cinco dias, outro grupo de invasores teve quatro motos confiscadas dentro do território e posteriormente devolvidas.

Agora, os Ka’apor temem a reação de madeireiros. Relatos dão conta de que invasores armados espreitam nas estradas de acesso às aldeias. O temor é que haja uma invasão do território a qualquer momento com episódios de violência contra os Ka´apor.

Em abril de 2015, Eusébio Ka’apor foi assassinado enquanto voltava de uma visita a cidade vizinha. Desde então, a região tornou-se palco de um grave conflito. Em dezembro do ano passado um ataque a uma das aldeias dos Ka’apor deixou dois índios baleados.